O livro Farenheit 451 – escrito por Ray Bradbury e publicado em 1953 – conta uma história passada em um futuro distante, quando livros são queimados em fogueiras. A obra inspirou o texto inaugural do jornal mural Comelê, que desde o dia 21 de março passa a ser veiculado na cantina da Escola. Nesta narrativa livre são feitas referência a personagens e publicações literárias indicadas como leituras do 1º trimestre letivo de 2017.

Algumas delas são consideradas clássicas, tema, aliás, escolhido para pautar a Feira do Livro que ocorrerá nos dias 6, 7 e 8 de abril. E por que ler os clássicos? O escritor Ítalo Calvino responde: “Os clássicos são livros que, quanto mais pensamos conhecer por ouvir dizer, quanto mais são lidos de fato mais se revelam novos, inesperadamente inéditos (...) Os clássicos não são lidos por dever ou por respeito mas só por amor. Exceto na escola: a escola deve fazer com que você conheça bem ou mal um certo número de clássicos dentro os quais (ou em relação aos quais) você poderá depois reconhecer os “seus” clássicos. A escola é obrigada a dar-lhe instrumentos para efetuar uma opção: mas as escolhas que contam são aquelas que ocorrem fora e depois de cada escola. Só nas leituras desinteressadas que pode acontecer deparar-se com aquele que se torna o ‘seu’ livro”.