A arte está presente no Colégio João XXIII e, desta vez, foi o ponto de partida do projeto interdisciplinar do 7º anoAdolescência – limites e adrenalina: transformações físicas, emocionais e sociais”. A peça “Adolescer”, de Vanja Ca Michel, abriu a programação, na sexta, 7/6, na Associação Médica do Rio Grande do Sul (AMRIGS). Juntos, estudantes, pais, mães, professores e equipe técnica, assistiram à montagem que aborda comportamentos típicos da adolescência e alerta para os cuidados necessários nesta etapa da vida.

O adolescente é alguém que vai dar à luz a ele mesmo num outro momento (...) A adolescência produz alterações hormonais, dificuldade de estabilidade de humor, uma série de impasses no corpo e na mente, uma impaciência muito forte. Por outro lado, uma sensibilidade muito grande. E as famílias, o pai e a mãe, a escola, aqueles que lidam com a formação de pessoas precisam lembrar que (...) ela produz, sim, alguns distúrbios. Precisamos leva isso em conta, especialmente por lembrar que a noção de adolescente é aquele que está no processo de crescimento (...) Ele precisa ser bem mais compreendido, bem mais cuidado. Não necessariamente tem que ser aceito em tudo o que faz ou pensa (...) Mas é necessário lidar com o adolescente com o olhar da compreensão.”, afirma o professor Mario Ségio Cortella no livro “Pensar bem nos faz bem!”, uma das bases teóricas do projeto promovido pelo Serviço de Orientação Educacional e Psicologia (SOP) junto com diferentes componentes curriculares.

Durante o ano letivo, diferentes atividades serão realizadas com estudantes e famílias. Enquanto os jovens terão aulas sobre as modificações orgânicas sofridas nesta fase, mães, pais e filhos serão convidados para palestras com diversos profissionais. “Mais do que ser um espaço de fala para os jovens, o projeto pretende conscientizar sobre a importância de comportamentos responsáveis e éticos e, ainda, aproximar pais e filhos”, conta a coordenadora pedagógica Rosa Ely.