A história indígena é um dos focos de estudo do 8º ano. Por isso, a manhã de quarta-feira, 3 de julho, foi de teoria e prática para os estudantes, que refletiram sobre tradição, cultura e religião indígena. O artista visual e ativista indígena Xadalu Brasil foi quem conduziu as atividades. “É uma gurizada bem informada, que aproveita as possibilidades que tem”, diz Xadalu. A oficina de stencil encerrou a manhã. 

Desconstruir o estereótipo do índio está entre os objetivos do projeto “Vivendo uma (outra) história”, orientado pelos componentes curriculares de Língua Portuguesa, História, Geografia, Matemática, Música e Educação Física. “Queremos proporcionar aos estudantes o conhecimento da história indígena a partir da perspectiva indígena e não o contrário”, afirma a professora Gabriela Christofoli. “O projeto colabora com a quebra do lugar comum de que o indígena é um ser primitivo. Eles têm tradições diferentes, mas estão longe de estereótipos”, aponta a estudante Larissa Both. 

Além da atividade com Xadalu, o projeto, que se estende até a Mostra Cultural, já proporcionou visita a aldeia Indígena Guarani Mbyá. Leitura de livros como Iracema, de José de Alencar, também está na programação.