Na foto, Pedro recebendo as doações da Biblioteca Zilah Totta

Na terça, 20/11, a Biblioteca Zilah Totta, do Colégio João XXIII, doou 322 livros infantis e infanto-juvenis para o grupo escoteiro Monsenhor André Pedro Frank, localizado na Vila Assunção, Porto Alegre. A arrecadação de obras faz parte do projeto de progressão do pioneiro Pedro dos Reis, que há cinco anos se dedica para o escotismo. A ideia é criar e ou reformar uma biblioteca de uma escola carente. Já entrei em contato com a Escola Estadual Jardim Vila Nova, onde cursei o Ensino Fundamental, para saber se há interesse no meu projeto. Há um tempo, soube que a biblioteca deles tinha fechado porque estava numa situação crítica”, explica Pedro.

O projeto de progressão pessoal é uma referência para saber o que cada escoteiro aprendeu e o que ainda deve aprender no seu ramo. Há cinco ramos no escotismo, que são divididos por idade: lobinho, de 5 a 10; escoteiro, de 11 a 14, sênior, de 12 a 14; sênior, de 15 a 17; pioneiro, de 18 a 21; e por último voluntário, quando se pode atuar ativamente em nas comunidades.

Como boa incentivadora da leitura entre a comunidade escolar, a bibliotecária do João XXIII Eliane Santa Brígida selecionou os livros para serem doados. “Montar e manter uma biblioteca para jovens é tão necessário! Ficamos muito felizes em poder ajudar”, diz Eliane.

Sobre o escotismo - O escotismo é um movimento educacional que, por meio de atividades variadas, incentiva jovens a assumirem seu próprio desenvolvimento, a se envolverem com a comunidade, formando verdadeiros líderes. Os jovens são divididos conforme sua faixa etária para que o programa educativo possa ser trabalhado em todas as áreas de desenvolvimento (físico, intelectual, social, afetivo, espiritual e de caráter). Para se juntar ao movimento como jovem é preciso ter entre 6,5 e 21 anos; a partir daí a atuação se dá como adulto voluntário, sem limite de idade.