O inverno mudou a programação de junho no João XXIII. Devido ao frio do último dia 28, a exposição Anistia e Democracia: Para que não se esqueça, para que nunca mais aconteça - programada para acontecer no pátio-precisou de um abrigo. Assim, os painéis fotográficos acabaram sendo montados na biblioteca da Escola, que também abrigou a mostra ViDHa, sobre a discriminação étnica.

Primeiro colégio do Brasil a receber a exposição fotográfica que acompanha as Caravanas da Anistia por todo o país, o João XXIII dedicou o dia 28 à memória e à verdade sobre o período ditatorial (1964 a 1985). Pela manhã aconteceu um painel assistido por estudantes de 2º e 3º ano do Ensino Médio, com a participação do procurador Domingos da Silveira, da artista plástica Cristina Pozzobon e dos professores de história Rogério Carriconde e Adriana Moraes. Na mesma ocasião, foi apresentado o vídeo Quinze Filhos, com depoimentos de jovens submetidos a torturas psicológicas na infância, praticadas pelos órgãos de repressão. À tarde, os alunos assistiram a um documentário sobre a Anistia e o processo histórico que precedeu a essa conquista do povo brasileiro, seguido de um debate conduzido por Adriana e Rogério.

Após o evento da tarde, as turmas percorreram a Biblioteca, onde estavam montadas as duas exposições. Na mostra Anistia e Democracia, tomaram contato com cenas e informações do período ditatorial, quando eram cometidas arbitrariedades, torturas e assassinatos. Os posters da mostra ViDHa também retratam a violação dos direitos humanos; nesse caso, voltadas para a discriminação étnica.  Organizada a partir de uma parceria entre a Carris e o Ministério Público, esta segunda mostra fica aberta à visitação até o dia 1º de julho e conta a longa história do racismo e das atrocidades praticadas contra o povo negro.

O quê: Exposição VIDHA

Quando: Exposição- de 27 de junho a 1º de julho; painel

Onde: Biblioteca