A confraternização da comunidade do João, na quinta, 13/12, seguiu à risca o DNA comunitário do Colégio João XXIII. Enquanto mães, pais e professores doaram os pães para o “choripan”; um pai contribuiu com o salsichão; os produtores rurais da Família Cibuslki, com a salada, e a Cantina Zanona com os sucos e as águas saborizadas. Como se não bastasse todos esses presentes, a comunidade foi além e montou uma programação diversa para o “Choripan do João”. 

A Banda J23, formada por estudantes do Colégio; a escola de Música Toque Musical e o trio, constituído na última hora pelo pai Jottága Souza Gomes, pela mãe Caroline Abreu e pelo professor de Música Mateus Zanolla Chaves foram as atrações musicais da noite. Para o estudante e integrante da Banda J23, Vitor Schmith, “a interação entre pais, alunos e funcionários é o mais legal. Acaba com a hierarquia e todos se tratam como igual”, afirma.        

Enquanto a “A_Barca Escola Aberta de Teatro – Núcleo João XXIII” disponibilizou fantasias e o professor e coordenador Adriano Basegio colocava a gurizada para brincar, a Atleta realizou atividades esportivas. “A iniciativa uniu pais e resgatou a questão da comunidade. As crianças se divertiram e teve atividade para todo mundo. Parabéns para quem organizou”, cumprimenta a mãe e conselheira da Escola Hanyk Orsi. “Foi uma iniciativa espetacular para unir as famílias em torno do que realmente é importante para nós, a educação dos nossos filhos”, garante Francis Bordas, pai de estudante do João XXIII. O ex-aluno Claus Ritter, que atualmente estuda Economia em Portugal, marcou presença no evento. “Tenho um carinho grande pelo Colégio e pelas pessoas que fazem o João. Estou feliz com os 55 anos da Escola no ano que vem e espero que todos os alunos aproveitem este espaço como eu aproveitei”, deseja Claus. Francisco Freitas, pai de estudante do 1º ano do Ensino Fundamental e idealizador do evento, finaliza: “Os pais têm que colaborar com a Escola para além do Conselho e da Diretoria. As famílias precisam estar mais presentes aqui dentro para entender e ajudar”, diz