Ambos fazem parte do time de 15 finalistas e podem receber votos até o dia 4, pelas redes sociais do Festival


Sustentabilidade e resiliência. Estas duas palavras nunca foram tão oportunas como em um momento de pandemia. Natural, portanto que, entre os temas sugeridos no “Arte Movie - Festival de Curtas”, tenham sido escolhidos por dois estudantes do Colégio João XXIII: Maurício Lutzemberger Chavannes (7E) e Lucas Lima Leite de Castro (9A). Ambos fazem parte do time de 15 finalistas com os filmes “Vida no Campo vs Vida na Cidade na Pandemia” e “O pôr”, que concorrem a premiações do júri técnico e popular. Os vencedores serão divulgados no dia 5 de novembro e, até a véspera desta data, os concorrentes podem receber curtidas pelo artemovie.com.br.

Realizado pela empresa Bouganville Produções Artísticas, de Porto Alegre - por meio da Lei Estadual de Incentivo à Cultura, com patrocinadores - o Festival incentiva a criatividade dos estudantes, desafiando-os a produzir filmagens de no máximo um minuto com mídias móveis. Em uma Escola com tradição em festivais de curtas e também com um Clube de Cinema ativo em plena pandemia, a proposta caiu como uma luva.

Maurício elegeu o tema sustentabilidade, seguindo a tradição ambientalista familiar de seu avô – o lendário José Lutzemberger – e da mãe, Lara, hoje à frente do Rincão Gaia. “Eu quis mostrar diferença e como é mais saudável viver em contato com a natureza. Na cidade, eu jogo no computador, tenho aulas virtuais, leio, fico em casa. No campo, ordenho as vacas, brinco com o coelho, como fruta no pé, corro e às vezes mexo na horta”. Tudo isso, ele conseguiu mostrar em apenas 30 segundos. 

Lucas, por sua vez, apostou em um tema bem intimista: alguém que sofreu uma perda e é consolado por um amigo. A voz, em off, o incentiva  buscar uma saída para a dor, que ele encontra ao pôr do sol, diante do sereno movimento das águas do Guaíba. Como no tema eleito por ele, a realização do curta foi um verdadeiro teste de resiliência. “Quase desisti porque, quando me veio a ideia, só chovia. No dia em que saiu sol, atravessei a cidade do bairro Floresta, onde eu moro, até a zona sul, mas tinha uma nuvem enorme e, no lugar escolhido, o sol não estava na posição que eu imaginei. Dois dias depois, fez um dia lindo e eu consegui”, conta.  

Apaixonado por cinema, Lucas participa assiduamente do Clube do Cinema do João. “Comecei a prestar atenção na parte técnica no filme ‘O clube da Luta’ e também no ‘Poderoso Chefão”, confessa ele, que ele já tinha feito várias filmagens caseiras. 

Um dos idealizadores do Clube do Cinema – professor de História Rogério Carriconde - considera “imensa” as contribuições pedagógicas e humanas da participação dos estudantes no Festival “devido ao incentivo à criatividade utilizando tecnologias com recursos mínimos, sem falar na escrita de um roteiro, na poética envolvida nessa criação e na própria atuação/direção, capazes de motivar o desenvolvimento cognitivo”. E ressalta: “É um processo aparentemente simples, porém nestes tempo de pandemia, existe a dificuldade de recursos humanos. Por outro lado, valoriza a sociabilidade e a relação afetiva com os mais próximos”. Além de Rogério, também o professor Roger Luis Lima Santos, de Geografia, foi um dos incentivadores e orientadores dos participantes.

Confira os filmes no instagram: 

https://www.instagram.com/p/CGlvEzGB7TA/

https://www.instagram.com/p/CGl0oqyjvnI/