O filme do Malcon X (dirigido por Spike Lee) nos mostra que ninguém é perfeito. Mesmo quem luta contra o preconceito e o racismo. Ele, por exemplo, era machista. E nos mostra, também, como os casos iguais ao da Marielle não são recentes”. Esta análise parece de um crítico profissional de cinema, mas foi feita pelo estudante  Henrique, da 6E, do Colégio João XXIII. Ele e seu colegas protagonizam o Clube de Cinema, organizado em conjunto com professores de História e Geografia, contando com participação do componente curricular de Música e outros interessados.

A ideia do Clube começou entre os projetos da Cartografia e, a princípio seria relacionado a análise de filmes históricos”, conta Rogério Carriconde, professor de História que trabalha em estreita parceria com Roger Santos, de Geografia. Com a suspensão das aulas presenciais, a prática ganhou uma versão virtual no mês de julho e evoluiu.

No Clube, os estudantes apreciam vários aspectos ligados ao cinema, desde direção, roteiro, música. Com uma proposta de metodologia ativa, os participantes tomam a iniciativa de sugerir conteúdos, apresentando desde cenas de filmes à atuações marcantes, passando pela história do cinema e por temas de interesses geral ligados ao cinema. A partir daí, ocorrem os debates, sendo que, toda semana, o Clube recebe convidados especiais. Recentemente, alunas da 3ª série narrativas sobre a representatividade no cinema africano. Os encontros acontecem às quintas feiras envolvendo do 6º ano do Ensino Fundamental à 3ª séria do Ensino Médio.

Confere parte da análise feita por Henrique: 

 

  Confere aí: >