No dia 11 de março de 2020, a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou estado de pandemia para a COVID-19 (novo Coronavírus), ou seja, ela alcançou disseminação mundial, espalhando-se pelos diferentes continentes do planeta com transmissão de pessoa para pessoa. Em 19 de março de 2020, por meio do Decreto nº 55.128, o Governador do Estado do RS declarou estado de calamidade pública em todo o território do Estado para fins de prevenção e de enfrentamento à epidemia causada pelo SARS-Cov-2. A partir do dia 23 de março, todas as instituições de ensino gaúchas deveriam suspender as atividades presenciais. 

Atento ao cenário que se formava, o Colégio João XXIII criou, no dia 16 de março, o Comitê de Gestão COVID-19, com o objetivo de acompanhar a evolução da pandemia e fornecer orientações para a comunidade. Inicialmente formado pela Diretoria Executiva da Fundação Educacional João XXIII, Direção Pedagógica, Equipe Técnica, familiares e representantes da Associação de Profissionais (APJ), o Comitê passou a contar, logo a seguir, com representantes do Grêmio Estudantil (GEJ) e de outros núcleos da escola.

O Comitê COVID-19 subsidiou a decisão das diretorias da escola pela suspensão das aulas presenciais a partir do dia 17 de março, em linha com as diretrizes dos Governos Estadual e Municipal, Sindicato do Ensino Privado (Sinepe) e Sindicato dos Professores do Ensino Privado do Rio Grande do Sul (Sinpro). Nessa mesma semana, as equipes diretiva e técnica, junto com os profissionais da escola, iniciaram a construção do Plano de Ação Pedagógica: planejamento e adaptação para implementar as aulas e atividades de forma remota, que foram continuamente aprimoradas pelos/as professores/as da escola, com apoio das equipes técnicas, mantendo, desde o início, um cuidado pedagógico especial com o ritmo individual de cada estudante.

Desde então, as Direções Executiva e Pedagógica, em conjunto com o Comitê, passaram a avaliar periodicamente as condições para um possível retorno às aulas presenciais e a necessidade de prorrogar a suspensão. No mês de junho, foi realizada ampla pesquisa na comunidade, com as  famílias e  com os profissionais da escola, indicando grande nível de insegurança da comunidade frente à possibilidade de retorno presencial naquele momento, e também atentando para o período de inverno (possível aumento de casos na cidade de Porto Alegre), decidiu-se manter  a suspensão das aulas presenciais até o final de julho. Os demais comunicados de manutenção das aulas remotas foram emitidos, mensalmente, sempre levando em consideração o cenário atualizado da pandemia.

Em 04 de junho de 2020, por meio do Decreto nº 55.292, o governo do Estado do RS estabeleceu as normas aplicáveis às instituições e estabelecimentos de ensino situados no território do Estado para a realização de atividades presenciais com crianças e adolescentes, conforme as medidas de prevenção e de enfrentamento à epidemia causada pelo novo Coronavírus de que trata o Decreto nº 55.240, de 10 de maio de 2020, que instituiu o Sistema de Distanciamento Controlado.

Na escola, seguindo as orientações do Decreto nº 55.292/20 e da Portaria Conjunta SES/Seduc/RS nº 01/2020, de 08 de junho de 2020, foi instituído em julho, a partir do Comitê COVID-19, o Centro Operacional de Emergência em Saúde – Escola (COE-E Local), órgão oficialmente responsável pela elaboração do “Plano de Contingência para Prevenção, Monitoramento e Controle da Transmissão de COVID-19” (Plano de Contingência), pela implementação dos protocolos de reabertura das aulas presenciais e pelo monitoramento de sua execução, entre outras atribuições definidas na Portaria. Em 16 de setembro, a Secretaria da Saúde do Estado do RS, por meio da Portaria SES nº 608/2020 que dispõe sobre as medidas de prevenção, monitoramento e controle da Covid-19, atualiza protocolos para as Instituições de Ensino e dá nova denominação ao COE-E Local (Centro de Operações de Emergência Escolar Local).

Após este breve histórico, apresentamos à comunidade o Projeto de Retorno às aulas presencias composto pelo Plano de Ação Pedagógica e pelo Guia de Protocolos e Orientações para o Colégio João XXIII. Este Plano, fruto de um planejamento coletivo desenhado desde março de 2020, é o balizador de todas as ações pedagógicas relativas ao Ensino Remoto e, posteriormente, à retomada do Ensino Presencial.  Tendo como princípio a ética do cuidado, foi construído por meio da escuta de estudantes, profissionais e famílias. O Guia, para além de ser um documento obrigatório, um plano de contingência, tem como objetivo oferecer à comunidade um regramento que possibilite um retorno cuidadoso, seguro e com o "jeito de ser" do João.